12.6.17

Em seara alheia



Poema tonto

Tu falaste e falaste do tamanho das coisas
sem adjectivos nem medidas, e eu, desastrada,
acabei por te contar que sou pequena. Depois
veio a chuva sobre ti, e eu corri à janela.
Não te vi e estranhei, até, a secura do céu
e da terra. Senti-me tonta de tanto ruído
no peito.

O barulho que pode fazer a chuva
Mesmo quando chove longe.

Virgínia do Carmo
In: Poemas simples para corações inteiros. Desenhos de Bernardo C. - Braga: Poética, 2017, p. 37

50 comentários:

Graça Pires disse...

“Penso na solidão das canoas.
Nas sombras anónimas. E no ventre
onde se geram todas as coisas
que não são de ninguém”.
É com este poema intitulado “Solidão” que Virgínia do Carmo inicia este belo livro “Poemas simples para corações inteiros”.
É uma poesia intimista, muito lúcida e sentida e a rasar um tom nostálgico. Como se a autora quisesse fixar os momentos em que o pensamento se incorpora na emoção para transformar as memórias em tempo interior…
Parabéns Virgínia!

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Não conhecia a poesia de Virgínia do Carmo e gostei bastante deste belo e intimista poema.
Um abraço e boa semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
O prazer dos livros

✿ chica disse...

Gostei muito desse poema tonto. LINFDO! Ótima semana pra ti! bjs, chica e tudo de bom!

Mirtes Stolze. disse...

Bom dia querida Graça.
Um poema lindo e nostálgico. Uma feliz semana amiga. Enorme abraço.

Laura Ferreira disse...

que bonito, Graça :)

beijinho e boa semana

Eu e minhas plantinhas /Simone Felic disse...

Olá Graça
A gente sempre tentando dar nomes e tamanhos as coisas e sentimentos,
o jeito é sentir sem querer explicar.
Bjs

http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

Cidália Ferreira disse...

Fantástico, maravilhoso. :-)

Beijinhos e uma excelente semana

Mariazita disse...

Gostei muito deste poema de Virgínia do Carmo, que não conhecia.
De facto a vida às vezes é uma tontice.
Outras vezes apetece-nos vivê-la como tal.
A vida, tal como é, pode tornar-se monótona...


PS – Obrigada pela presença e palavras tão gentis na minha CASA

Votos de uma semana muito feliz.
Beijinhos
MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

José Carlos Sant Anna disse...

Bom que nos dê a oportunidade de conhecer a poesia de Virginia do Carmo. Que nos possibilite conhecer os acordes desse canto que não se esvai por que nada o detém. Bela partilha.
Um boa semana, Graça!

Majo Dutra disse...

Também gostei muito do poema e
das suas palavras e citações,
pelo que também me congratulo
com a autora.
Um título que não se esquece,
vou estar atenta...
Beijos, Amiga
~~~~~~~~~

Marta Vinhais disse...

Há sempre barulho... mesmo no silêncio mais profundo...
Pensamos que é tolice, mas de vez em quando, é bom fazer uma tolice....
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Aline Goulart disse...

Belíssimo o poema de Virgínia do Carmo.
Às vezes o barulho que nos deixa mais atordoados é aquele que não silencia aqui dentro de nós, não é mesmo?

Tenha uma ótima semana, Graça.

Beijinhos estalados.

Sofia disse...

Todos nos sentimos tontos de vez em quando...

Boa semana (= Beijinhos

Toninho disse...

Que lindo poema Graça.
Um belíssimo jogo das palavras num sentimento de amor arrebatador.
Bela seara.
Uma semana maravilhosa.
Bjs.

AvoGi disse...

Nunca tinha lido um poema tonto.
Kis :=}

Tais Luso disse...

Gostei imenso de conhecer esse belo poema da tua seara alheia: Virginia do Carmo!
Um beijo, querida Graça. Ótima semana!

Pedro Luso disse...

Poema tonto, de Virgínia do Carmo, de seu livro Poemas simples para corações inteiros é um excelente poema. Trata-se de uma poeta de talento, que tenho a sorte de cohecê-la aqui no teu blog, nesta postagem.
Um beijo, Graça.

Isa Sá disse...

Bonito poema!

Isabel Sá
Brilhos da Moda

Franziska disse...

Hermosísimo poema, la verdad de las cosas que aparentemente son pequeñas y que, en realidad, es lo que más nos importa. Saluds muy afectuosos y cordiales. Franziska

Sinval Santos da Silveira disse...

Oi, querida Poetisa, Graça Pires !
Que belo Poema, selecionaste em
"Seara Alheia".
Muito grato por compartilhar !
Uma ótima semana e um carinhoso
abraço, aqui do Brasil !
Sinval.

graça Alves disse...

Um belo poema da maravilhosa Virgínia do Carmo e, como sempre, uma bela escolha da Graça.
Graça, adorei o seu livro, está difícil é escolher um poema para "postar".
beijinhos

silvioafonso disse...

Por razões pessoais eu fiquei sem
os comentários dos meus amigos, mas
hoje, três anos depois eu me vejo
curvado diante de suas tão belas palavras.
Obrigado pela lembrança e pela confiança.
Um beijo.

silvioafonso



.

© Piedade Araújo Sol disse...

Conheço e gosto da poesia da Gina diminutivo carinhoso de Virgínia do Carmo.
Este poema está curto e completo, só não gostei do nome....porque de tonto nada tem.
Beijinhos às duas
:)

Victor Barão disse...

Não sou particularmente entendido em poesia, a bem da verdade não sou particularmente entendido em coisa alguma. Mas mal comparado seja com escutar uma musica com adição de texto em língua estrangeira não entendível, mas que se pode sentir e/ou dalguma forma entender subjectivamente, também eu sinto e entendo, à minha maneira a poesia, de que gosto, a exemplo do "poema tonto" aqui em causa, colhido "Em seara alheia".
Beijo com muita estima e admiração

Cadinho RoCo disse...

Existem chuvas que nos sinalizam para sensações mais que profundas. Enquanto isso, desejo de te receber na nossa www.hellowebradio.com ... você.Vem!
Cadinho RoCo

Ailime disse...

Boa noite minha Amiga,
Que poema lindo de Virgínia do Carmo escrito com uma grande sensibilidade poética.
Um beijinho
Ailime

Ives disse...

As coisas só tem medidas na nossa impressão, beijos

Fá menor disse...

Um poema grande do sentido que se pode dar ao que as emoções nos afectam.

Bjs

teresa p. disse...

Poema singelo mas cheio de significado. Gostei muito!
Parabéns à autora e um obrigada à Graça por o dar a conhecer "Em seara alheia".
Beijo.

Odete Ferreira disse...

Conheço muito pouco da poética da Virgínia do Carmo e devia. Falha minha. Vou tentar minimizá-la.
Este poema, só aparentemente "simples" preencheu-me, apesar de não saber se pertenço ao grupo das pessoas com "corações inteiros”. Belíssima partilha, sábias são as tuas palavras sobre a Virgínia.
Bjinho, Graça

Daniel Costa disse...

Graça Pires
Cada poema, como peça literária, é sem um proposta, como tal devemos entender. Lido e visto assim - de louco nada tem de louco, o poema de Virgínia do Carmo.
Beijos

Existe Sempre Um Lugar disse...

Bom dia, damos tamanho as coisas por conveniência, o poema é curto e belo, gosto assim.
AG

Ahsan Ali disse...

a very apprehensive poetic painting of delicate emotions!

truely touched my soul with this sublime description my friend.
thank you for sharing.
blessings

Jaime Portela disse...

Gosto da poesia da Virgínia do Carmo, que conheço há anos.
E este poema não foge à regra, porque é muito bom.
Mas ultimamente não a tenho lido. Por isso, em boa hora publicaste este poema.
Bom fim de semana, amiga Graça.
Beijo.

Marta Moura disse...

Lindo!

Maria Eu disse...

Muito belo!
Obrigada pela partilha.

Beijos, Graça :)

Virgínia C. disse...


Muito grata, Graça, pela partilha e pelas palavras generosas. Um privilégio enorme a sua amizade.

E grata também a todos os que deixaram os seus comentários, bem hajam.

Um abraço

tulipa disse...


Olá Graça

Muito obrigada pela sua passagem em alguns dos meus blogues.
É sempre maravilhoso ver a sua presença por lá e ler as simpáticas palavras que deixa.

Nesta tarde muito quente de 6ª feira vou passando pelos blogues de alguns amigos.

Não conhecia a poesia de Virgínia do Carmo e gostei bastante deste belo poema.

Também andei a agradecer às pessoas que deixaram comentários no meu blogue
http://pensamentosimagens.blogspot.pt/

ADOREI aquele passeio que fiz
e seria uma pena não partilhar com vocês, meus amigos/as.

Bom fim de semana.
Beijinho

Profª Lourdes disse...

Boa noite querida amiga!
Hoje vim agradecer sua visita no dia do meu aniversário com felicitações e palavras que me emocionaram. Obrigada de todo coração e que Jesus, também lhe conceda muita felicidade por muitos e muitos anos.
Antes de conhecer a blogsfera, imaginava um mundo virtual frio. Ao longo desses anos que tenho meus blog tenho percebido que tem amigos e amigas, seres humanos atenciosos, educados, sábios sensíveis e amigos. Você é uma dessas pessoas incríveis. Obrigada! Abraços da amiga Lourdes Duarte.

Manuel Luis disse...

A chuva inspira poesia. Adoro tempo de chuva.
Bjs

anamar disse...

Boa noite, Graça.

O teu poema fez-me rir e levou-me a outras paragens.

Bom fim de semana e quem sabe se dia 23 nos encontramos para festejar o Manuel Veiga e com mais tempo para falar ?

Beijinho,

Ana

solfirmino disse...

Muito bom, tenho escrito esses dias sobre a chuva...

Catarina H. disse...

Tão bonito este poema, gostei :)
Beijinhos e bom fim de semana!

Silenciosamente ouvindo... disse...


A chuva é um bom tema para entrar em poesia.

Gostei muito.

Desejo que se encontre bem.

Bjs.

Irene Alves

AC disse...

Um longe desejado perto, delineado por um sentir muito forte, tecido em chuva muito própria.
Qual o segredo para encurtar distâncias? Expormo-nos mais? Provavelmente.

Um beijinho, Graça :)

Anete disse...

Olá, Graça!
Bonito poema!!! Cheio de profundos sentimentos...
Abç

São disse...

Eis uma das causas porque gosto de ti: esta tua generosidade!

Amiga, abraço grande , boa semana

Luis Eme disse...

Gosto muito deste poema da Virginia.

abraços para as duas poetisas de luxo.

Teresa Almeida disse...

Belo e intenso poema. É de Virgínia do Carmo!
Boa escolha, querida Graça!

Beijinhos às duas.

Ana Freire disse...

Um poema maravilhoso que adorei conhecer, desta autora...
Há chuvas... que realmente não nos matam a sede por dentro... bem pelo contrário... ainda a tornam mais viva...
Mais uma partilha de excepção, Graça!
Beijinho!
Ana