6.2.17

Em seara alheia



BEIJO MAR

Gosto de rasgar-te a pele
rochedo provocador
nos diálogos sem fim.

Grato por guardares a agenda 
dos meus desabafos,
nos acasos das fugas insensatas.

José Luís Outono
In: Três mares. Porto: Insubmisso Rumor, 2016, p. 48

53 comentários:

Graça Pires disse...

Na introdução que faz ao livro de José Luís Outono, o poeta João Carlos Esteves começa por dizer o seguinte: Quase cedo à tentação de afirmar que o prefácio desta obra foi escrito pelo autor. Pois que este nos revela, sem rodeios, o cerne deste livro, o “leitmotiv” da sua escrita, a paixão artística que caracteriza a sua obra, com a frase que subtitula este “Três Mares: “Por entre palavras, alguns olhares poéticos”.
Será difícil conseguir sintetizar e exprimir mais eloquentemente o conteúdo deste livro, construído com a palavra e o olhar, aliados e companheiros fiéis no processo criativo de José Luís Outono, intérpretes exemplares de uma inspiração a todos os títulos notável, ferramentas de uma transposição de sentires que o autor labora com o afinco de um artesão incansável […]
Parabéns por mais este livro José Luís Outono!

Cidália Ferreira disse...

Bom dia
Gostei muito! Parabéns

Beijo e uma excelente semana.

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Teresa Almeida disse...

São as sedes que o mar provoca e este sabor peculiar que as palavras jorram pelos rochedos da sensibilidade.

Grata pela partilha.
beijinho, Graça.

baili disse...

Beautiful and delicate touch of sensibility through compelling words!

some books must be read though ,
but some books must be written .
Best wishes and Hugs!

Laura Ferreira disse...

E eu, grata por ler palavras tão bonitas :)

boa semana, Graça. Beijinho

Marta Vinhais disse...

O mar... O eterno confidente.... Amores, encontros, desencontros, desamores...
Fala-nos... Provoca-nos... E nós continuamos a viver....
Lindo...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Bell disse...

Gostei e quero te desejar uma maravilhosa semana.

bjokas =)

Olivia disse...

É um poema muito bonito e profundo.

Simone Felic disse...

É sempre reconfortante ter alguém para
desabafar.
Bjs

Agostinho disse...

Nesta seara ceifa-se
o maduro gesto, até nas ondas.

Como será o quadro pintado do poema?

O mar e a rocha à conversa,
em permanência. Às vezes,
se amena, adormecem
em sonolento sossêgo,
posto que esteja o chapéu
na areia.

Noutras, rasgada a bandeira
a violência primeva assalta castelos e sobrepostas pedras
com ferozes gestos.

Beijo, Graça amiga.

Nequéren Reis disse...

Poesia maravilhosa amei, tenha uma semana abençoada, obrigado pela visita,
Blog:https://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br/
Canal:https://www.youtube.com/watch?v=DmO8csZDARM

Olívia disse...


Ainda não tenho o livro do José Luís Outono, mas este poema e a tua introdução são só por si motivos suficientes para que eu trate de o adquirir.

Um beijo

Olívia Marques/Lídia Borges

Majo Dutra disse...

Gostei muito da sua apresentação, Graça.
Sempre cuidadosa e perfeccionista no que escreve...
Agradeço muito a sugestão.
Beijos, estimada Amiga.
~~~~~~~~~~

Fernanda Maria disse...

Que paixão intensa e arrebatadora a deste mar .

Um poema que me faz desejar conhecer melhor o autor.
Grata por o partilhares amiga Graça.

Um beijinho

Roselia Bezerra disse...

Boa tarde, querida Graça !
São poucos os que guardam nossos segredos na agenda do coração. ..
Muito lindo!
Bjm muito fraterno

© Piedade Araújo Sol disse...

Uma boa escolha de um poema do Poeta JLO .
conheço a sua escrita desde o início do seu blogue PRETEXTO - CLÁSSICO e leio pequenos textos que eu classifico de deliciosos nas suas postagens no FB.
e também nos vai brindado de vez em quando com excelentes fotos.
beijinhos
:)

Manuel Veiga disse...

pressente-se marulhar dos diálogos
no ritmo das palavras. belas.

parabéns ao poeta (amigo)
a quem deixo um abraço

beijo, Graça

Nadine Granad disse...

Que lindo!...
Vontade de naufragar ;-)

Beijos =)

Zilani Célia disse...

OI GRAÇA!
UMA ÓTIMA ESCOLHA.
CURTINDO O VERÃO E MEIO AFASTADA MAS SEM NUNCA ESQUECER DOS AMIGOS.
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

As Mulheres 4estacoes disse...

Entregar ao mar as confidências e deixar que leve embora os cansaços internos.
Abraço

Toninho disse...

Mais uma bela colheita no mundo da poesia amiga Graça.
Sua sensibilidade nos faz privilegiados na partilha.
Uma pérola de poema nas entranhas dos rochedos aqui bem inspirados.
Uma semana linda e leve amiga.
Bjs de paz.

Isa Sá disse...

Bonito.

Isabel Sá
Brilhos da Moda

Helicita disse...

Serdeczności , piękne slowa brawo ! dobrego Bożego dnia życzę.
http://www.skrzynkaintencji100.bloog.pl

Daniel Costa disse...

Graça Pires
O poeta normalmente tem sensibilidade, para a escolha de qualquer poema doutro poeta para apresentar, como tornas visível aqui no espaço.
Bjs

Odete Ferreira disse...

De facto, a poesia de J.L.Outono é como diz o poeta J.C.Esteves. A palavra a traduzir, eloquentemente, o olhar que capta como o faz também nas suas fotos (leio e vejo algumas partilhas no FB).
Este poema é bem elucidativo dos aspetos referidos.
BJ, amiga 😊

LuísM Castanheira disse...

as ondas em confissões
ao rochedo sem saber
tamanhas são as lesões
que jamais se querem ver.

o mar nunca se irá casar
e alguém ficará a perder...

Um beijo, amiga.

Lucinalva disse...

Olá Graça
Lindo poema. Bjs querida.

Ailime disse...

Boa tarde Graça,
Já há tanto tempo que não lia um poema de José Luís Outono que regularmente seguia no seu Blogue, um poeta que de forma sublime une a poesia com a excelência do seu olhar.
Obrigada por tê-lo partilhado aqui no seu espaço.
Um beijinho e continuação de boa semana.
Ailime

Mar Arável disse...

Boa escolha de um poeta que muito aprecio
Bjs

Ana Tapadas disse...

Belo poema com sabor a mar...
Excelente escolha!

Beijinho

Sinval Santos da Silveira disse...

Oi, Amiga querida, Graça Pires !
Que lindo texto selecionado.
Muito agradecido por compartilhares.
Aceita, agora, o meu carinhoso abraço,
aqui do Brasil !
Sinval.

Existe Sempre Um Lugar disse...

Bom dia, tudo que envolve o mar é maravilhoso, assim, o poema não foge à regra.
AG

Pedro Luso disse...

Olá Graça.
Sei que nas tuas postagens com o título "Em seara alheia" escolhes um poema que é do teu agrado. Desta vez escolheste o poema BEIJO MAR, de autoria de José Luís Outono, do seu livro Três mares. Porto: Insubmisso Rumor, 2016, p. 48, como está no seu post.
Gostei muito do poema, Graça.
Beijos.
Pedro.

Ana Freire disse...

Uma lindíssima partilha, Graça!
Desconhecia o autor, confesso!... Mas gostei imenso da firmeza, que brota das suas palavras...
Beijinho! Continuação de uma boa semana!
Ana

Tais Luso disse...

Também gostei muito dessa postagem 'Em seara alheia'!
Muito bom gosto, certeira escolha.
Beijo, querida Graça.

Alfredo Rangel disse...

Graça

Não conhecia José Luis Outono.
Tratarei, agora mesmo, de ler mais de sua poesia.
Gostei muito. Valeu mesmo a pena,

beijo

teresa p. disse...

Um poema muito interessante, com sabor a maresia.
Parabéns ao autor e obrigada à Graça por dar a conhecer mais este poeta.
Beijo.

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e Outras disse...

Oi Graça, bela postagem. Lindo poema. O mar me fascina. O mar me inspira e me dá temor. Grande abraço. Laerte.

deep disse...

Belo este "Beijo Mar", Graça.
Bom fim de semana. :)

Beijo

Anete disse...

Poema muitíssimo bonito! O mar é um amigo enorme...
Abraço e lindo fim de semana...

Arthur Claro disse...

Muito bom estes versos.

Arthur Claro
http://www.arthur-claro.blogspot.com

CÉU disse...

Olá, querida Graça!

"Em Seara Alheia" há tantos poetas, que não conheço, mas todos os dias, surgem novos talentos. Ainda bem e a Graça encarrega-se de os divulgar no seu blogue.

Desde o título do poema ao conteúdo, tudo é amor. É bom "rasgarem-nos" a pele (e nós, a deles, tb. Ora essa!-rs), em diálogos e sobretudo em monólogos, acrescento eu. Evidente que a mulher, e pelas suas características e circunstâncias, não "dá com a língua nos dentes" e até lhe sabe bem ser "recetáculo" de todos estes avanços insubmissos e fugas sem "nexo", e um tanto à socapa, pke talvez na outra margem, haja outra "sereia", mas agora pergunto eu, que não sou poetisa (há pessoas k ficam com "erupções cutâneas", qdo se diz poetisa, pke para elas só existem poetas, masculinos e femininos. Eu não penso assim, e os femininos são para serem respeitados, em minha opinião, pke o feminino de cão é cadela, por exemplo), se não será isto o melhor de uma relação sentimental? Falou a leiga, que não entende nada de poemas eruditos.

Beijos e bom fim de semana.

Jaime Portela disse...

Gosto da poesia do José Luís Outono.
E este poema não foge à regra, é magnífico.
Bom fim de semana, amiga Graça.
Beijo.

AC disse...

Um rochedo conveniente, guardador de todos os desabafos...
Boa escolha, Graça.

Abraço

tulipa disse...



Gostei muito!

Graça, mais uma vez lhe agradeço a sua presença, nos meus blogues.


Conheço pessoalmente o José Luís Outono! Parabéns por mais este livro.

Beijo e uma excelente semana.

Suzete Brainer disse...

Excelente poema que revela o talento do Poeta.

Generoso o seu gesto de partilha que proporciona
conhecer excelentes talentos da Poesia.

Grata pela leitura desta partilha, Graça!

Um final de semana alto astral, Poeta.
Beijo.

Alfredo Rangel disse...

Grato por guardares meus lábios, últimos sinais da pureza de tanto amosr...

Blog da Gigi disse...

Bom início de semana! Beijos

graça Alves disse...

Bem bonito este pequeno poema.
Parabéns ao autor e a si Graça, que nos vai mostrando o que é bom.
beijinhos

Ives disse...

Fenomenal poesia! beijos

Mirtes Stolze. disse...

Bom dia Graça
Uma linda partilha. Um belo poema. O mar tem muitas histórias guardadas. Quem nunca fez confissão ao mar? Acho tambem que o mar com seus encantos e mistérios cativa a todos nós. Um lindo dia. Beijos.

Marta Moura disse...

Muito bonito!

Cristina Cebola disse...

Tão belo e delicado este poema!
Obrigada Graça, por nos dar a conhecer. Parabéns ao autor...
Beijinho.