9.1.17

Em seara alheia


Acordo
e caminho na erva ainda tenra, húmida,
deixando pequenas marcas dos pés
cansados de caminhar no leito da noite.

Sinto a alma dos muros,
o canto dos ramos das árvores
e fico vazia de medos
longe das coisas redundantes
sem vida e sem cor.

Encontro rasgada a minha saia,
presa que ficou no bico de uma rocha;
levo-a à boca, salgada como as noites
tão etéreas e marinhas de Sophia.

Vem-me à memória que ainda
se demore a manhã no horizonte.
Dela chega-me este ar apetecido
a pousar na minha pele,
suave como um bando de aves.

Lília Tavares
In: evocação da águas. Desenhos de Carmo Pólvora. Porto: Seda Publicações, 2015, p. 55

41 comentários:

Graça Pires disse...

Carlos Eduardo Leal, psicanalista, escritor e artista plástico de Niterói, Rio de Janeiro, escreveu no prefácio do livro “Evocação das águas” de Lília Tavares […] ” É a força destas águas que nos move na vida que aqui é evocada. É deste líquido que se faz poesia. É desta inconsistência das marés e das margens incertas dos rios que se avoluma um saber sobre o mistério maior de ser poeta.” […]
Parabéns, Lília!

Laura Ferreira disse...

gosto da força destas águas.
boa semana, Graça.
beijinho

Marta Vinhais disse...

Um amanhecer leve... Mas sente-se a força, a vontade de descobrir do que está ainda escondido...
Lindo...
Obrigada pela partilha e pela visita
Beijos e abraços
Marta

Tais Luso disse...

Quando a nossa trajetória não é vazia, quando é feita de momentos verdadeiros, não há tristeza que não seja linda. Como é bela a reflexão.
Forte e bela poesia, querida Graça.
Gostei imenso dessa poeta que você traz à 'seara alheia'.
Beijo.

LuísM Castanheira disse...

A noite a preceder o dia...
E os aromas advinhados na pele.
Delicioso.
Mais uma divulgada poeta que já admiro.
Um beijo, minha Amiga.

Cidália Ferreira disse...

Excelente poema!Amei



Beijos e uma excelente semana
.
http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Ana Paula disse...

Ah! Esse líquido que faz poesia...
Graça, venho desejar-lhe um excelente ano. Obrigada pelo carinho e pela partilha de tão belas palavras que alimentam o coração.
Beijo!

Regina Figueiredo disse...

Tão lindo...
Beijinhos

Ives disse...

Este ar cheio da melhor poesia! beijos

Isa Sá disse...

Mais um bonito poema.

Isabel Sá
Brilhos da Moda

Cadinho RoCo disse...

Delícia sentir o corpo encanado pela poesia. Do seu comentário no Cadinho, emoção muito especial ao sentir Portugal entrando em sintonia com a nossa www.hellowebradio.com ... você.
Cadinho RoCo

Teresa Durães disse...

Um poema muito bonito!

Pedro Luso disse...

Olá Graça.
Esse belo poema, desta tua postagem, que é um dos que compõem
o livro "Evocação das águas", de Lília Tavares, diz bem do
talento dessa poetisa. Gostei muito.
Beijos.
Pedro.

Teresa Almeida disse...

Suave na pele, solto na alma.
Beijo.

As Mulheres 4estacoes disse...

É bom sentir o despertar suave ao perceber a manhã que vem surgindo.
A alma desperta assim revigorada.
Abraço

Majo Dutra disse...

A quantidade em produção, não prejudicou a qualidade...
Gostei dos recursos imagéticos em rendilhados metafóricos...
Congratulo-me com o bom gosto.
~~~ Beijinhos ~~~~~~

Zilani Célia disse...

OI GRAÇA!
MARAVILHOSO POEMA, OBRIGADA PELA PARTILHA,
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Mirtes Stolze. disse...

Boa noite querida Graça.
Lindo poema, quando a vida não é vazia sempre as águas estão em movimentos assim com a vida. Felizes dias. Eterno abraço.

Catarina H. disse...

Incrível como este poema tem a Natureza impressa nele com toda a sua força e esplendor. Consegui sentir, como se fosse eu. Adorei! Obrigada por mais uma excelente partilha.
Beijinhos :*

Cristina Cebola disse...

Olá Graça...

Primeiro que tudo, gostei do poema de Lília Tavares.
Depois, quero agradecer a visita ao meu espaço. Há mais de um ano que não publicava nada, mas penso ter regressado , ou melhor, penso neste momento ter condições para regressar....D
já tinha saudades, mas ao mesmo tempo pensava que já ninguém se lembraria de mim.

Beijinho muito agradecido , e votos de um excelente 2017...

Mariazita disse...

Sabor a sal, sabor a mar...
Belo poema de Lília Tavares.

Continuação de boa semana.
Beijinhos
MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

Manuel Veiga disse...

Gostei muito do poema

mais um Poeta que fico a "dever-te", Graça.

beijo, minha Amiga

© Piedade Araújo Sol disse...

a escrita da Lilia é escorreita e simples onde predomina o sentimento a agua e o mar ela escreve muito bem poesia, e tem também uma página no facebook "Quem lê Sophia de Mello Breyner Andresen" muito apreciada.
uma boa partilha!
beijinhos
:)

graça Alves disse...

Bem bonito o poema de Lília!
Beijinho

Agostinho disse...

A mesma água, Graça, afinal única, do mar ou dum mar de lágrimas?
Que escorre do sonho que há em nós?
A poeta faz o caminho do sonho chamando os sentidos que despertam a frescura da manhã. E nem Sophia faltou na evocação.
Boa ceifa.
Beijo, cara amiga Graça.

henriquedoria disse...

Sempre cheia de amor, de ternura e de beleza, Graça
Um enorme abraço amigo

Silenciosamente ouvindo... disse...


Gostei muito deste lindo poema.

Amigo o seu blogue é a casa da poesia.

Bjs. e votos que se encontre bem.

Irene Alves

José Carlos Sant Anna disse...

É uma bela partilha, Graça. Elogiar este poema não basta, é preciso atrás da sua poética para conhecê-la melhor. Essa evocação já nos mostra o caminho.
Beijo, amiga!

Poções de Arte disse...

Um belo poema da autora.
Feliz final de semana,
Abraços.

Jaime Portela disse...

Magnífica escolha poética.
Gosto muito deste poema da Lília.
Bom fim de semana, querida amiga Graça.
Beijo.

teresa p. disse...

Um poema singelo e profundo.Gostei muito!
Parabéns à autora e, também, à Graça por a dar a conhecer.
Beijo.

São disse...

Continuas a ser generosa!

Beijinhos e bom fim de semana

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, mais um belo poema que valoriza e encanta esta sua pagina.
AG

Ana Freire disse...

Que poema maravilhoso!...
Uma deliciosa partilha!... Adorei o encanto e a leveza da escrita...
Beijinho! Feliz fim de semana!
Ana

Olivia disse...

Mas que belo poema.

Olá, sou a Olivia, nova por estas bandas. Gostei do blogue. :)

Maria Rodrigues disse...

Uma excelente escolha, lindo poema
Beijinhos
Maria

Lília Tavares disse...

Querida Graça,

Vim hoje visitar o teu blog e vejo-me aqui. Que sensação boa, líquida, que me tranquiliza e envolve. Como se tivesses aberto com cuidado uma pequena janela de água-furtada para me fazeres rever essa manhã de Sophia e minha.

Agradeço aos teus seguidores, nos quais reconheci alguns amigos que acompanham "Quem lê Sophia" e, por conseguinte já leram algumas das minhas palavras.

Continuo a gostar muito desta 'Ortografia do Olhar', um ponto de referência na divulgação da tua poesia que tanto amo e de outros autores a quem vais 'ceifando' palavras.
Abraço imenso.

Lília

Blog da Gigi disse...

Abençoado domingo! Beijos

Ailime disse...

Boa tarde Graça,
Uma magnífica partilha este poema de Lília Tavares, que muito acrescenta à sua já habitual enorme generosidade.
Muito obrigada minha Amiga e Enorme Poeta.
Desejo-lhe continuação de bom domingo e excelente semana.
Beijinhos,

Odete Ferreira disse...

Excelente escolha, a da poeta e a do poema.
Conheço pessoalmente a Lília e bastante da sua obra.
Gosto imenso.
Bjo, amiga :)

Gisley Scott disse...

Esse texto trouxe à minha memória experiências que tive no sertão americano, onde a natureza fala e eu fico em silêncio, admirando cada coisa fazendo arte diante dos meus olhos!
Beijos!
http://vivendolaforanoseua.blogspot.com/